Africa: parte da cultura perdida?


          Nesse post temos como propósito enfatizar os aspectos da cultura africana em sua totalidade e sua vinda para o Brasil. Os aspectos culturais africano, em determinado ponto da história, sofreram intensa modificação e destruição devido aos múltiplos fatores que o ocasionaram, por exemplo, os regimes coloniais aplicados pelas potencias europeias do sec. XV ao XIX porém a cultura desse continente continua com sua característica principal: uma enorme diversidade.
        A África é o continente primordial da civilização humana, o ponto inicial de toda humanidade como conhecemos e com o tempo os mesmos agregaram uma quantidade gigantesca de línguas, costumes, regimes, religiões e de atividades econômicas.

          A cultura africana era, em geral, passada de geração em geração através de relatos orais ao invés de registros escritos, fazendo com que parte dos relatos escritos tenham sido feitos pelos colonizadores, europeus, através de missionários e afins aos quais visitavam aquele continente.
            Da mesma forma, essa vasta cultura a qual possuímos veio sendo perdida devido ao fenômeno da assimilação cultural, ou seja, uma cultura sendo assimilada por outro até o ponto de que a cultura original daquele local se perca com o tempo, deixando de existir. Outro fator que determinou a perda dessa cultura foi o chamado "fardo do homem branco", a tão aclamada "missão civilizatória".
          No período do chamado Neocolonialismo (séc. XIX e XX) três "princípios" principais ocasionaram essa diminuição e perda da cultura, que foram o chamado "Fardo do homem branco"; o Darwinismo social e o "Altruísmo europeu", aos quais:

             -Darwinismo social: seguindo basicamente a lógica da evolução, inserindo-a em um contexto social ou seja, os que estavam pobres eram os menos aptos (segundo a interpretação da época da teoria de Darwin) e os mais ricos (que evoluíram economicamente) seriam os mais aptos a sobreviver, portanto mais evoluídos
           -Fardo do homem branco (“The white man’s burden”): Retratado pelo poeta Rudyard Kipling (1899):   “o poeta do Imperialismo, o qual escreveu o poema denominado "The White man's burden" ao qual diria que caberia ao homem branco a missão de levar o progresso técnico-científico às regiões atrasadas e sem condições de progredirem sozinhas. Este poema ficou retratado na história como um chamamento a conquista do mudo por parte dos europeus e americanos. Para Kipling, o domínio do planeta era uma missão que todos os homens brancos deviam assumir, como um fardo, uma obrigação dos civilizados do mundo para com a parte que consideravam selvagem ou bárbara.

 " Trecho de "O Fardo do homem branco"

Tomai o fardo do Homem Branco,
Enviai vossos melhores filhos.
Ide, condenai seus filhos ao exílio
Para servirem aos seus cativos;
Para esperar, com arreios
Com agitadores e selváticos
Seus cativos, servos obstinados,
Metade demônios, metade crianças.     "

Com isso, grande parte da cultura original africana se perdeu no tempo, sendo lentamente substituída pelos ideias europeus e americanos, fato que os mesmos eram os detentores das colonias naquele território.

#Skar 
Africa: parte da cultura perdida? Africa: parte da cultura perdida? Reviewed by The TakeUm on janeiro 23, 2017 Rating: 5
Tecnologia do Blogger.